• giroretro

CLÁSSICOS DE ARREPIAR: Os 9 melhores filmes de terror retrô

Atualizado: Jun 15


Tem gente que não é muito fã, mas até essas pessoas, com certeza se decidir assistir qualquer um desses filmes, vai mudar seu conceito sobre filmes de terror (ou até mesmo se apaixonar por eles).


Então, para você já ir se aquecendo e se preparando para o seu final de semana, salva essa listinha e faça sua maratona. Confere aí:



9. O chamado

Lançado em 2003, O chamado narra a história da jornalista Rachel Keller, que, ao investigar a morte da sobrinha, descobre que quatro adolescentes morreram misteriosamente sete dias depois de assistir a um vídeo com imagens assustadoras. Além de querer solucionar o caso, ela tenta impedir que a profecia se concretize com ela mesma e o filho, já que os dois também assistiram ao vídeo.



8. O massacre da serra elétrica

Clássico do terror, O massacre da serra elétrica também não poderia ficar de fora da lista. O filme é baseado em fatos reais e se passa em 1973, quando a polícia do Texas deu como encerrado o caso de um massacre de 33 pessoas. Todas as vítimas foram mortas por um homem que usava uma máscara feita de pele humana. Desta vez, o único sobrevivente conta em detalhes o que realmente aconteceu.




7. Brinquedo Assassino

Child's Play é uma franquia de terror americana que compreende oito filmes de terror criados por Don Mancini. Os filmes concentram-se principalmente em Chucky, um notório assassino em série que frequentemente escapa da morte realizando um ritual de vodu para transferir sua alma para uma boneca "Mocinhos".




6. O exorcista

O exorcista, lançado inicialmente em 1973, já recebeu outros três longas de continuação. Um dos mais lucrativos da história do terror nos cinemas, o filme é baseado em livro homônimo e fala sobre a possessão demoníaca de uma menina, de 12 anos.




5. O bebê de Rosemary

Este é outro clássico do gênero de terror. O bebê de Rosemary narra o dia a dia de um casal que se muda para um prédio com pessoas estranhas. Acontecimentos ainda mais estranhos levam a jovem, que está grávida, a duvidar de sua própria sanidade. No entanto, o parto e a descoberta de uma seita diabólica irão finalmente mostrar a verdade.




4. O iluminado

O iluminado, também baseado em livro homônimo de Stephen King, é um dos queridinhos dos amantes dos filmes de terror. Neste longa, Jack Torrance torna-se caseiro de inverno do Hotel Overlook, nas montanhas do Colorado, na esperança de curar seu bloqueio de escritor. Ele se instala com a esposa Wendy e o filho Danny, que é atormentando por premonições. Jack não consegue escrever e as visões de Danny se tornam mais perturbadoras.


3. Carrie - A Estranha

Nesta adaptação do romance de Stephen King, a quieta e sensível adolescente Carrie White enfrenta insultos dos colegas na escola e abuso em casa de sua mãe, uma fanática religiosa. Quando estranhos acontecimentos começam a acontecer em torno de Carrie, ela começa a suspeitar que tem poderes sobrenaturais. Convidada para o baile da escola pelo autoritário Tommy Ross, Carrie tenta relaxar, mas as coisas tomam um rumo sombrio e violento.





2. Sexta-Feira 13

A história do homicído em Crystal Lake não impede que os instrutores montem um acampamento de verão no bosque. Moradores supersticiosos advertem sobre o ocorrido, mas os jovens Jack, Alice, Bill, Marcie e Ned, prestam pouca atenção aos mais velhos e acabam sendo perseguidos por um assassino brutal. A medida em que são esquartejados, baleados e esfaqueados, os instrutores lutam para manterem-se vivos contra um adversário implacável.






1.Psicose

Como não ser fã de Psicose, o maior clássico de terror de todos os tempos? Após roubar US$ 40 mil para se casar com o namorado, uma mulher foge durante uma tempestade e decide passar a noite em um hotel que encontra pelo caminho. Ela conhece o educado e nervoso proprietário do estabelecimento, Norman Bates, um jovem com um interesse em taxidermia e com uma relação conturbada com sua mãe. O que parece ser uma simples estadia no local se torna uma verdadeira noite de terror.



Por Thalita Rodrigues